Blog de Email Marketing

Mercado

Compras Coletivas e Meios de Pagamento

Pedro Padron Por Pedro Padron em 10.12.2010

Sites de compras coletivas são uma febre no Brasil. E não falo apenas da febre dos compradores, mas também daqueles que querem ter seu próprio site. O esquema já é manjado, mas vamos dar uma recapitulada em como funciona:

As Regras do Jogo

Através de parcerias com estabelecimentos comerciais de diversos tipos, o site divulga ofertas com descontos obscenos. Essas ofertas são válidas por um período pré-determinado, geralmente por um dia. Para valer a pena para o comerciante, fica estabelecido que a oferta só se torna válida quando um número mínimo de pessoas comprarem.

A partir do momento que a oferta atinge esse número mínimo de compradores, já é garantido que esses felizardos terão direito ao item desejado. Porém, se a oferta não atrair esse número mínimo de compradores, ninguém leva nada, e portanto ninguém deve ser cobrado.

É esse último “detalhe” que gostaria de discutir neste post.

Money, Money, Money

No modelo original, aquele que tornou o Groupon tão famoso, a compra é permitida apenas com cartão de crédito, e são processadas através de gateways de pagamento (PayPal/Authorize.net/SecurePay/etc) ou direto com as operadoras (Visa/Mastercard/AMEX/etc). Porém, no Brasil grande parte dos sites de compras coletivas usam intermediadores de pagamentos para aceitar cartões de crédito ou transferência bancária, e PagSeguro e Pagamento Digital parecem ser as escolhas mais populares.

Antes de falar sobre os intermediadores, vamos ver como funciona uma compra com cartão de crédito.

Processando cartões de crédito

Com cartão de crédito a cobrança é feita em dois passos, chamados de autorização e captura. Na autorização é verificado se o seu cartão é realmente válido e se possui limite suficiente para fazer a compra. Nesse momento, o banco emissor faz a “reserva” do valor da compra no limite do cartão. Dependendo do banco, o período pelo qual uma autorização é válida pode ser de 1-5 dias. Durante esse período o vendedor pode realizar a captura da transação, que é a efetivação da compra. Se após esse período o vendedor não fizer a captura, a transação expira, o limite volta ao normal e o cliente não é cobrado.

Gateways de Pagamento/Operadoras

Quando o cliente faz a compra de um item em oferta, ocorre a autorização da transação. Nesse momento ele ainda não foi cobrado. Ao final do período da oferta, se for atingido o número mínimo de compradores, a transação pode ser enfim capturada e o cupom pode ser emitido ao cliente, pois ele será cobrado por isso. Se o número mínimo de compradores não for atingido, a transação irá expirar e o cliente não será cobrado.

Todo esse processo pode ser feito automaticamente via webservices, sendo essa uma grande vantagem sobre os intermediadores de pagamento.

Para utilizar esse modelo de cobrança, é preciso firmar contratos com as operadoras de cartão de crédito em nome da empresa, o que pode levar algumas semanas. Os gateways de pagamento são os responsáveis por centralizar o processamento dessas transações, evitando que seja preciso desenvolver uma solução para cada operadora.

Uma boa vantagem nesse processo é poder negociar as taxas direto com as operadoras, que podem diminuir conforme o volume de transações mensal de seu site.

Intermediadores de Pagamentos

Um intermediador realiza a autorização e captura por conta própria, para depois transferir os fundos para a conta do vendedor. Nesse cenário, o cliente sempre é cobrado de primeira. Se a oferta não atingir o número mínimo de compradores e for cancelada, é preciso que o administrador do site faça o estorno do valor da compra manualmente, o que pode levar alguns dias.

Para o otimista, a automação total do processo de devolução do dinheiro pode ser apenas um pequeno detalhe, já que a expectativa é de que todas as ofertas alcancem o número mínimo de compradores. Mas… Vale a pena arriscar? Em grande escala, procedimentos de estorno podem consumir grande parte do tempo de sua equipe de atendimento. Além disso, para o cliente é bem mais agradável ser cobrado apenas se ele realmente terá direito ao item anunciado.

A implementação desse modelo é bem mais simples que os gateways, pois geralmente envolve apenas o uso de formulários HTML com nomes de campos pré-definidos. Porém, as taxas cobradas são consideravalmente maiores quando comparadas com as operadoras de cartão de crédito. Afinal de contas, o intermediador é quem paga essas taxas por você.

E agora, quem poderá me ajudar?

Intermediadores são mais rápidos para serem implementados – são praticamente um atalho – mas, para sites de compras coletivas, não oferecem vantagens suficientes para o cliente e nem para o próprio site. Em geral, a melhor opção é utilizar um gateway de pagamentos, que lhe ajudará nos contratos com as operadoras de cartão e no processamento das transações, mas exige que você formalize seu negócio (abra uma empresa).

Para fazer a melhor escolha, estude o seu projeto e veja o que tem maior peso: o tempo de desenvolvimento, as taxas de operação, a automação… Analise sempre o contexto em que o projeto está inserido e quais as suas prioridades, pois apenas a partir dessas observações será possível tomar uma decisão consciente.

Qualquer que seja a sua decisão, disponibilize uma política de uso clara e transparente no site, respeite o cliente e ouça os conselhos do He-Man.

  • Pedro, sua comparação entre intermediários e gateways está perfeita.

    Temos notado, no entanto, que intermediários tem sido preferidos para sites de compras coletivas por administrarem toda a movimentação financeira, questão com a qual o empreendedor deste tipo de negócio não tem buscado se envolver.

    De toda forma, o gateway é uma alternativa que, em geral, oferece mais flexibilidade e controle sobre o negócio.

    Abraços

  • Hayslan

    Pedro, essa era a análise que eu queria encontrar depois de umas 20 páginas balbuciando pela internet. Também concordo com o Flávio, todos os sites que conheço usam os intermediadores apesar dos gateways oferecerem maior flexibilidade e controle, além de taxas menores – o que é super interessante para os novos empreendedores. Me serviu como uma luz no fim do túnel, parabéns e obrigado!

  • Paulo

    Otima observação, muitos dos novos empreendedores não se preocupa com isso!
    Acho que a melhor opçao seria ter os 2 meios de pagamentos como é o caso do Click on que tambem utiliza o Pagamento Digital…

  • Obrigado pelo artigo! Muito informativo! Abraço!

Assine Nossa Newsletter


Por favor informe um endereço de email válido.

Acompanhe Nossas Publicações